Felipe Jucá

Paz e bem!

Textos

              Abaeté: cadê a lagoa escura 

     1. Poderia estar aqui escrevendo sobre a Copa do Mundo de Futebol. Alimentando, digamos, a esperança de ver a seleção canarinho pelo menos vice-campeã do difícil e instigante torneio internacional. É pessimismo? Talvez. 
     2. Só nas quartas-de-final, chegando o Brasil a alcançar essa etepa, arriscarei um palpite otimista.  Nas quartas, a seleção verde-amarelo já terá dito a que veio: se para ser campeã do mundo, ou apenas nadar, nadar e morrer na praia.
     3. Vou esperar. A equipe é boa e o Neymar Jr, diferente do Cristiano Ronaldo e do Messi, já pintou o cabelo, pela enésima vez. Dizem que os índios quando vão à guerra, primeiro se pintam.
     4.  O assunto de minha crônica, hoje, escrita em plena Copa, nada tem a ver com futebol.      Embora comungue com a tese do escritor Lima Barreto (1881-1922) de que "o esporte bretão" seja "uma instituição benemérita, cujo rol de serviços ao país vem sendo imenso e parece querer não ter fim". (Crônica "Bendito Futebol - 1/10/1921). 
     5. Abordo um assunto - e o faço constrangido - que, à primeira vista, parece só aos baianos interessar; porque ligado à sua história, ao seu folclore, á sua música e ao seu roteiro turístico.      Não o é. Há nele muito do que se chama de preservação ambiental.  Portanto, interessa a todos.
     6. Cearense, morando na Bahia há mais de meio século, sinto-me no dever - mais do que alguns de seus filhos - de defender todos os recantos que fazem de Salvador uma das cidades mais belas e atraentes do mundo. Falem os turistas, que por ela passam, diariamente. 
     7. Muito bem. Aos cronistas cabe registrar e comentar atos e fatos que alegram ou afligem sua cidade e a dos outros, também.
     Desta vez, eis-me aqui reforçando a denúncia veiculada nos jornais de Salvador, segundo a qual, a lagoa do Abaeté, lindo espaço que a natureza deu de graça aos baianos, está secando. Que pena!
     8. Dorival Caymmi cantou: "No Abaeté tem uma lagoa escura/ Arrodeada de areia branca./ De areia branca, de areia branca."
     Quando, em 1957, cheguei na linda capital baiana, na minha agenda turística incluí uma visita à lagoa do Abaeté, que, até então, só conhecia na canção do Caymmi. 
     9. Diziam-me os filhos da terra soteropolitana que a lagoa era cheia de mistérios e que nas suas águas moravam Orixás. Na Bahia, quem não acredita nos Orixás, mude de endereço. 
     Dei sorte porque, naquele ano, a lagoa ainda guardava a sua versão, a sua fisionomia original.      Deixei-a deslumbrado e certo de que nela, algo de misterioso existia... 
      10. Pois bem. Os jornais estão denunciando que a lagoa do Abaeté continua secando! Motivos principais: as ocupações irregulares (invasões) que a estão sufocando e as sutis, mas devastadoras mudanças climáticas. 
     11. Moradores do Abaeté e de regiões adjacentes, em ato público, denunciam a degradação do lago e pedem imediatas providências às autoridades estaduais.
     Estas, por seu turno, alegam que estão trabalhando no local. Constata-se, porém, que tais obras arrastam-se, desde 2014.
     Se há protestos é porque as providências, até aqui adotadas para salvar a lagoa são inexpressivas.
     12. Olha, se não for dado à lagoa do Abaeté, formosa de ponta a ponta, um tratamento carinhoso e prioritário, ela morrerá.
     Não permitam, senhores, que Salvador perca um de seus recantos mais agradáveis e por que não dizer, "sagrados"... 
     13. Com a morte da Lagoa do Abaeté, a gente só ficará sabendo que ela um dia existiu, ouvindo a canção do Caymmi.
     Que amanhã não se cante que no Abaeté teve, repito, teve uma lagoa escura arrodeada de areia branca.

     
Felipe Jucá
Enviado por Felipe Jucá em 16/06/2018
Alterado em 17/06/2018


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras