Felipe Jucá

Paz e bem!

Textos


              Amor na hora do crepúsculo

     1. Minha namorada adormece sob meus fatigados olhos. Ela chega, assim que o sol ultrapassa a linha do horizonte; portanto, na hora do crepúsculo. Horizonte que não vejo porque moro na cidade grande. Meu horizonte-poente confunde-se com a cobertura dos arranha-céus próximos ao meu.
     2. É o céu escurecer e ela, cintilante, disponível, se oferecendo, me procura; indiferente ao que, sobre ela, dizem ou pensam suas amigas - milhares - que também têm, não tenho dúvidas, um namorado.
     3. Na maioria das vezes (ou sempre?), ela me encontra no balanço preguiçoso da minha redinha cearense, seminu, e, não raro, entregue aos mais variados devaneios... Alguns, eu diria, bizarros e atrevidos. Pecaminosos? Talvez...
     4. Discreta, silenciosa, misteriosa - o que a faz uma namorada diferente -  ela nunca me pergunta sobre o que eu estivera pensando ou aprontando, antes de sua chegada. Ela sabe que eu só penso nela... 
     5. Pois é, quando o sol se põe, ela aparece dengosa e cativante. E de onde está, me manda prolongados e suplicantes olhares; convidando-me - é o que imagino -, a despi-la e fazer sexo... Ou simplesmente amá-la? 
     6. Mas tudo não vai além de um gostoso flerte. Flerte? Que papo é esse, perguntará, surpresa, a meninada da era do WhatsApp. Aconselho-os a procurarem o Houaiss ou mesmo o Google. A meninada dos aplicativos não sabe quão gostoso é um flerte!
     7. Serelepe, permito que minha namorada entre no meu quarto, cuja porta, como o barraco da canção, é "sem trinco".
     Dona da minha alcova, deixo que ela se envolva nos meus pensamentos; entre outros, o de possui-la; de ter com ela um caso de amor...      Ela não liga pras minha investidas, mais do que apaixonadas, ousadas. Fingindo?
     8. Tão grande é o meu amor por ela que, noite dessas, lhe propus vivermos juntos no seu "mundo"; numa mancebia abençoada pelos deuses. Ela aconselhou-me a não pensar nisso. Não mais voltei ao assunto.
     9. No momento em que escrevo esta croniqueta, ela está se despedindo de mim. Logo, só a terei na minha lembrança. Vê-la, só amanhã, na hora do crepúsculo e no mesmo lugar.
     10. Minha namorada, meus diletos amigos, é uma pequenina estrela, uma estrela de verdade.      Na companhia de outras estrelas, ela enfeita o espaço sideral. Mas só eu sei como e onde encontrá-la. Ciumento?
     11. Da minha redinha de franjas coloridas, vejo-a desaparecendo devagarinho...
     E dela me despeço, com este pensamento de Clarice Lispector: "Estrelas são os olhos de Deus vigiando para que corra tudo bem. Para sempre. E, como se sabe, "sempre" não acaba nunca". 
     12. A madrugada vai dizendo: "Adeus!" O sol, timidamente, começa a incendiar o céu. As estrelas somem... As estrelas parecem não gostar do sol... 
Felipe Jucá
Enviado por Felipe Jucá em 19/08/2018
Alterado em 20/08/2018


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras