Felipe Jucá

Paz e bem!

Textos


  
     Queridos das multidões
                        (Crônica franciscana) 
                       
     1. Hoje, 3 de outubro de 2018, faz 792 anos que morria, na Itália, São Francisco de Assis.
     2. Diz a lenda, que ele morreu ouvindo o trinado de centenas de andorinhas que, para se despedirem do amigo, pousaram, todas ao mesmo tempo, no telhado da Porciúncula, a igrejinha que ele escolhera para morrer.
     3.  Porque sou ex-aluno franciscano, muita gente me pergunta o que levou a Igreja Católica a festejar o santo Poverello no dia de seu sepultamento, 4 de outubro, e não no dia de sua morte, 3 de outubro. Respondo, que não sei. Que o seminário não me disse por quê.
     4. A Igreja de Roma - já é uma tradição consolidada - festeja seus santos no dia da morte de cada um deles. Menos São João Batista, que é festejado no dia do seu nascimento; e com aquele foguetório e muito forró.      Estranho, pois, segundo a Bíblia, João era um camarada extremamente reservado. Vivia no deserto comendo besouro e bebendo mel.
     5. Aproveitando o espaço, queria deixar aqui resgistrado, que, no Brasil, a maior festa em louvor a Francisco de Assis acontece em Canindé, cidade- santuário franciscano, a 120 quilômetros de Fortaleza. Na Escola Seráfica de Canindé eu estudei três anos: 1947-48-49.
     6. Todos os anos, no dia 3 ou no dia 4 de outubro, escrevo sobre São Francisco. É minha homenagem ao meu santo protetor; e um agradecimento público aos colégios franciscanos onde estudei:  em Canindé, no Ceará, e em Campina Grande (Ipuarana), na Paraíba, o seminário maior.
     7. Escrever sobre o Pobrezinho de Assis não é difícil. Mesmo sabendo que "Diante de Francisco descobrimo-nos imperfeitos e velhos", observação do Teólogo Leonardo Boff, ex-frade, no seu magnífico livro "São Francisco de Assis: Ternura e Vigor".
     Digo que é fácil porque escrever sobre Francisco de Assis é escrever com alegria... a doce e inigualável "alegria franciscana". 
     8. Sabe-se que Francisco adorava música e gostava de cantar. Foi farrista e aplaudido menestrel de Deus, nas ruas estreitas e acidentadas da medieval e linda Assis. Estivemos lá, Ivone e eu, em duas ocasiões.
     Andando pelas ruelas da santa Assis, como disse Leonardo Boff, a gente tem quase a certeza de encontrar Francisco em uma de suas esquinas. Foi o que senti. Não nego. 
     9. Muito bem. Este ano, me propus a escrever algo diferente para comemorar a data maior franciscana.      Sem, contudo, me afastar do Poverello. O dia é dele. Ele hoje é o cara em todos os recantos da Terra. Ele é um santo universal.
     10. Busquei, entre meus cantores prediletos, aquele que, por isso ou aquilo, tivesse alguma ligação com Francisco, o santo da alegria. Quem encontrei? Olando Silva.
     O cantor de "Sertaneja" nasceu no dia 3 de outubro, repetindo, no dia 3 de outubro de 1915. Exatamente 683 anos, após a morte do poeta de o "Canto ao irmão sol".      11. Outra agradável coincidência. Orlando, volvidos mais de 40 anos de sua morte, continua sendo o "Cantor das multidões"; e Francisco, 792 anos depois de desencarnar, continua sendo um santo das multidões. Francisco e Orlando, artífices da alegria...
     Paz e Bem!
   
Felipe Jucá
Enviado por Felipe Jucá em 03/10/2018
Alterado em 28/11/2018


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras