Felipe Jucá

Paz e bem!

Textos

                      Do anedotário...

     1. Aposentado, depois de 40 anos de serviço, no gozo, portanto, do "Otium cum dignitate", gasto parte do meu tempo relendo velhos escritores e inspirados poetas. 
     
2. Ocupo também meu tempo comprando, com alguma dificuldade, novos livros, que entram no mercado. É sempre assim: quem gosta de ler, vive adquirindo livros, sem ligar pro seu saldo bancário. Vai até ao sebo mais próximo. 
     
3. Uma coisa, porém, é certa: resignei-me fácil com a inatividade imposta pela aposentadoria, no meu caso voluntária. Diferente de Machado de Assis que, aposentado, continuou frequentando sua antiga repartição, mostrando seu incoformismo com a jubilação.
     
4. Disse, no início, que comprava livros com alguma dificuldade. E é verdade. Estou, por exemplo, há dias, querendo comprar, do escritor Wagner G Barreira, "Maria Bonita - Uma história de amor e balas", depois de ler, da escritora Adriana Negreiros, "Maria Bonita, sexo, violência e mulheres do cangaço". Gosto de ler a história de Lampião e de sua Maria de Dea.
     
5. Em dias alternados, ou seja, dia sim, dia não, vou à Saraiva e à Cultura. Essas duas livrarias - graças e Deus - ainda funcionam em Salvador. Ouço de seus gentis empregados que esse livro cangaceiro "está para chegar". Mas não sabem dizer quando!
     
6. Observo, que o clima entre eles é de quase desolação. Noto, no semblante de cada um, aquele ar de preocupação e desalento...      Preocupados, claro, com a perda do emprego, que será inevitável, caso as livrarias fechem suas portas. Tento reanimá-los.
     
7. Assim, enquanto o livro desejado por mim não chega, sigo, como disse, me reencontrando com velhos vates e velhos escritores, cujos versos e prosas, desde sempre, me encantaram...      8. No momento, delicio-me, lendo e relendo o "Anedotário Geral da Academia Brasileira de Letras", livro muito interessante do saudoso romancista maranhense Josué Montello (1917-2006).
     
9. Nesse seu livro, o autor de "Tambores de São Luís", reúne pequenas e atraentes histórias protagonizadas por escritores e poetas que frequentaram a Casa de Machado de Assis, deixando rastros indeléveis. Escolhi três historinhas; de três poetas. 
     Espero que o meu dileto leitor  e minha amada leitora gostem.
     
10. A primeira história. " O último desejo - Ao sentir agravar-se o seu estado de saúde, Castro Alves (1847-1871proibiu que os amigos o visitassem.
     Agnese Murri, seu último amor, instou em querer ver o poeta. Mas este, com as lágrimas  a lhe descerem dos olhos fundos, teimou na recusa:      - Não deixe entrar - disse ele à sua irmã Adelaide, que intercedera em favor da cantora -      Ela, mais do que ninguém, não deve gauardar de mim uma lembrança de ruína. Que me recorde como sempre me viu, como me conheceu... Não!      Não a deixe entrar... E ao fazer transportar o seu leito para a sala de visitas, para ver a paisagem que se descortinava de uma das janelas abertas para o mar, confessou o seu derradeiro desejo: - Quero morrer olhando o infinito azul..." 
     
11. A segunda história. "O último desejo -       Prodigioso trabalhador literário, não obstante ter pago tributo largo à vida boêmia na sua mocidade, Olavo Bilac, no seu leito de enfermo, voltava a escrever, sempre que a doença lhe concedia uma pequena trégua, minorando os seus sofrimentos. 
     A 18 de dezembro de 1918, ao apontar da primeira claridade do dia, ele se ergue no leito, querendo dirigir-se à mesa de trabalho:  - Já raia a madrugada - disse o doente, reconhecendo a luz do sol a insinuar-se no aposento.
     E num pedido: Deem-me café. Vou escrever. Mas as forças lhe faltaram  e o poeta, logo depois, sem outra palavra, entrou em agonia". 
     
12. A terceira história. "A derradeira lição - No seu leito de agonia, vendo a esposa em prantos, Laurindo (Rabelo) prendeu-lhe as mãos, num gesto afetivo. E erguendo para ela os olhos tristes: - É bom que eu morra primeiro, para te ensinar como se morre. - E expirou  pouco depois".
     
13. Ora, num tempo de tantas histórias feias, mentirosas, fingidas, hipócritas, é bom recuar no tempo e ler pequenos causos que não nos constrangem... Inda mais quando contados pelo elegante escritor Josué de Souza Montello, de estilo leve e de texto escorreito. Sou seu fã...
Felipe Jucá
Enviado por Felipe Jucá em 12/01/2019
Alterado em 12/01/2019


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras