Felipe Jucá

Paz e bem!

Textos

            Citações: por que não?

                              O inferno é o outro
                                        J.P. Sartre

     1. Dias desses, uma pessoa me disse, em tom de crítica, que minhas modestas crônicas são recheadas de citações. E nos meus textos "tem frase aspeada pra tudo que é lado".
     Não dei bolas para a maldosa observação dessa pessoa que, por sinal, não é dada a boas leituras. Incapaz, portanto, de avaliar a importância e o valor de uma citação.
     2. Vou continuar enriquecendo minhas simplórias páginas com o que de bom e significativo os outros dizem. No momento certo, uma boa citação. Uma só, não, muitas. Olha, há algum tempo, comprei "O livro das citações - Um breviário de ideias replicantes", do professor mineiro Eduardo Giannetti. Procuro-o sempre.
     3. Disse Montaigne (1533-1592): "Não me inspiro nas citações; valho-me delas para corroborar o que digo e que não sei tão bem expressar, ou por insuficiência da língua ou por fraqueza do intelecto. Não me preocupo com a quantidade e sim com a qualidade das citações. Se houvesse desejado que fossem avaliadas pela quantidade teria podido reunir o dobro". 
     4. Sou um colecionador de citações. Anoto, nos caderninhos adquiridos para esse fim, o que dizem de bom e bonito, nos seus livros, os autores escolhidos pra minha leitura diária.      Costumo sublinhar, com minha esferográfica vermelha, no próprio livro, as frases que me chamam a atenção. Meus livros são todos riscados. Há quem condene essa prática. Mas não sei ler sem riscar e anotar. 
     5. Creio que não estou errado, inserindo nas minhas crônicas, citações de mestres. Há cronistas, jornalistas, romancistas, contistas que se valem delas para dar mais brilho aos seus rabiscos. Usam-nas até para defender e confirmar assuntos e teses sobre os quais se debruçam. 
     6. O filósofo Mario Sergio Cortella, por exemplo, socorre-se de belas citações nos livros que escreve. No momento, leio, ao mesmo tempo, três dos seus livros: "Viver em paz para morrer em paz", "Por que fazemos o que fazemos" e "Felicidade foi-se embora?", este em parceria com Frei Beto e com o teólogo Leonardo Boff. Primorosos. 
     7. Portanto, meu caro amigo, não se acanhe ao inserir nos seus escritos citações que se fizerem justas e necessárias. Como não citar Schopenhauer (1788-1860): "Não há consolo mais refinado na velhice do que a sensação de ter concentrado toda a força de nossa juventude em obras que jamais envelhecerão". 
     8. Terêncio, dramaturgo romano do século II a.C, afirmou: "Nada é agora dito que não tenha sido dito antes". Pascal (1623-1662), Blaise Pascal escreveu: "Existem somente dois tipos de homens: os íntegros que se consideram pecadores e os pecadores que se consideram íntegros". 
     9. E os de casa? De Mario Quintana: "Amar uma mulher é habitá-la". De Machado de Assis: "O coração humano é a região do inesperado". De Cecília Meireles: "Cada um sabe de que são feitos os seus sofrimentos".  De Humberto de Campos: "Dançar é rezar com as pernas".
     De Olavo Bilac: "Por que hei de, em tudo que vejo, vê-la". De Nelson Rodrigues: "Amar é dar razão a quem não a tem". De Leonardo Boff: "Porque amamos as estrelas, não temos medo da noite escura". De Rachel de Queiroz: "Se você não é capaz de ter amigos, você é um erro da natureza".
     10 . Impossível trazer para esta crônica todas as frases que colhi e guardei. Mas não queria fechar minha página, neste meu site, sem citar Santo Agostinho: "Ama e fazes tudo o que quiseres"; mais essa do Bispo de Hipona: "Só se envelhece quando se deixa de amar".
     11. Feita a defesa do uso das citações, encerro, agora pra valer, com o mestre Josué Montello (1917-2006): "A citação nada mais é do que um pensamento coincidente em que a honestidade pôs um par de aspas". 
     12. Com o aval do autor de "Diário do Entardecer", sinto-me à vontade para continuar usando citações nas minhas pobres crônicas. Até porque, delas se salvarão, apenas, as citações que, de repente, lhe deram alma...
      

           
Felipe Jucá
Enviado por Felipe Jucá em 01/07/2019
Alterado em 01/07/2019


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras