Felipe Jucá

Paz e bem!

Textos

                   A imagem cobiçada


          1. Das igrejas de Salvador, onde moro há mais de meio século, a que mais gosto, desde sempre, é a de São Francisco, no Terreiro de Jesus, bem no coração do Pelourinho. Porque no Pelô, o som de seus benditos e de suas rezas mistura-se com o ruído dos coloridos e ensurdecedores tambores do Olodum, cuja sede social, fica na suas proximidades.
          2. Gosto da igreja de São Francisco, não porque ela é rica e bela; com ouro pra tudo que é lado e palavrosos azulejos no seu presbitério, presente dos nossos manos lusitanos, trazidos para Salvador entre 1708 e 1713, quando, portanto, da construção do seráfico templo. 
          3. Gosto dessa igreja porque, visitando-a, sinto-me mais perto de São Francisco, meu amigo e protetor. Não por acaso me chamo Francisco, e, sob os cuidados do Poverello de Assis, estudei, muitos anos, nos colégios dos frades menores, no Ceará e na Paraíba.
          4. Muito bem. Na igreja franciscana do Terreiro de Jesus tem uma imagem que seduz e encanta a todos que param para espiá-la. Poucos, porém, conhecem a sua história. Refiro-me à imagem de São Pedro de Alcântara, esculpida em madeira, entre 1790-93, provavelmente por Manoel Inácio da Costa, renomado escultor baiano.
          5. Mas o que de especial, de extraordinário, de singular, de envolvente tem essa imagem? No livro "Basílicas e Capelinhas" , sobre as igrejas da Bahia, seus autores, Biaggio Talento  e Helenita Holanda, afirmam: essa imagem mostra um São Pedro de Alcântara "com uma das expressões faciais de sofrimento mais realistas de que se tem conhecimento na imaginária brasileira". É perfeita.
          6. Quem foi São Pedro de Alcântara?      Conhecer um pouquinho de sua biografia, me parece importante e vocês verão porquê. Trata-se de um frade franciscano, capuchinho, nascido na Espanha em 1499. Na pia batismal, recebeu o extenso nome de Juan de Garibito y Vilela de Sanabria! 
          7. Foi um homem culto, notável pregador sacro, influente nas decisões e posições  assumidas pela Ordem que abraçou. Morreu no dia 18 de outubro de 1562; foi beatificado em 18 de abril de 1622, pelo Papa Gregório XV; e, em 28 de abril de 1669 foi canonizado pelo Papa Clemente IX. 
          8. É a imagem de São Pedro de Alcântara, venerada, como disse, na igreja de São Francisco,  que, contam os historiadores, fora cobiçada, querem saber por quem? Por Dom Pedro II, nosso amado Imperador. Visitando Salvador, no ano de 1859, nosso sábio soberano apaixonou-se pela imagem; e não escondeu seu desejo de "ganhá-la" de presente. 
          9. Os franciscanos, com destemor, reagiram. E ajudados pelo povo baiano, impediram que sua Majestade levasse a bela imagem para a Corte. Para a Corte? Ela ficou na Bahia. 
          10. O que quase não se divulga é que São Pedro de Alcântara é o padroeiro do Brasil. Foi declarado como tal, em 1826, pelo Papa Leão XII. Outra coisa: sua festa litúrgica dá-se no dia 19 de outubro, data oficializada pelo Vaticano. 
          11. O Brasil, portanto, tem seu padroeiro, São Pedro de Alcântara, e sua padroeira, Nossa Senhora Aparecida. Por que, então, tanta coisa esquisita, inusitada, má acontece, todos os dias, neste abençoado país? Nossos diletos padroeiros se esqueceram de nós? Assim, não dá.    
Felipe Jucá
Enviado por Felipe Jucá em 05/09/2019
Alterado em 19/09/2019


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras