Felipe Jucá

Paz e bem!

Textos

               Mulheres que viraram santas

                                   As pessoas que espalham                                    amor, não têm tempo nem                                    disposição para jogar                                    pedras.                                                             Irmã Dulce

          1. Olhando para a imagem de Irmã Dulce, que conheci pessoalmente, me pus a imaginar como homenageá-la no dia da sua canonização, 13 de outubro de 2019, quase vinte e sete anos após sua morte nos braços do povo baiano.
          2. Ratificada sua canonização pelo Papa Francisco, um papa sul-americano, a freirinha baiana passará a ser venerada com este significativo nome: Santa Dulce dos Pobres. Porque pelos pobres e para os pobres ela viveu. Eu vi. Ninguém me contou. 
          3. Resolvi homenagear a nova santa sem me ater exclusivamente ao seu Curriculum Vitae, sobejamente conhecido. Currículo glorioso, o bastante para levá-la, sem maiores delongas, aos altares católicos do mundo. 
          4. Optei, então, por prestar minha homenagem à freirinha, amiga dos necessitados, lembrando algumas mulheres que, santas, serão suas companheiras na Pátria Celestial. Companheiras definitivas e para sempre.
          5. Eu disse algumas mulheres que viraram santas, mas bem que gostaria de falar sobre todas, cada qual com sua história ou histórias. Neste espaço, seria impossível. Não o faço, confessando-me constrangido.
          Perdoem-me os amigos e as amigas que não tiverem, aqui lembrada, a santa de sua devoção.
          6. As santas que escolhi estão entre as mais conhecidas, o que torna mais arejada a leitura dessa crônica gratulatória. Todas com suas biografías fáceis de serem acessadas; como por exemplo Santa Rita de Cássia, também conhecida como "a santa das causas impossíveis". 
          7. Rita de Cássia. Na pia batismal, recebeu este nome: Margherita Lotti. Italiana, freira agostiniana, Rita nasceu em 1381 e morreu no dia 22.5.1457. Foi canonizada pelo Papa Leão XIII em 24 de maio de 1900, portanto, 443 anos após sua morte. 
          8.Teresa de Lisieux. Freira carmelita. Na pia batismal, Marie-Françoise-Thérèse Martin. Nasceu no dia 2.1.1873 e morreu no dia 30.9.1897. Foi canonizada em 17.5.1925 pelo Papa Pio XI, portanto, vinte e oito anos após sua morte. É também invocada como Terezinha do Menino Jesus.
          9.Teresa de Ávila. Monja carmelita. Nasceu no dia 28.5.1515, Espanha. Nome de batismo: Teresa Ali Fatim Corrella Sanchez de Capeda y Ahumada. Morreu em 4.10.1582. Foi canonizada em 12 de março de 1622, pelo Papa Gregório XV; portanto, quarenta anos depois de sua morte. É Doutora da Igreja, título conferido pelo Papa Paulo VI.
          10. Cito Santa Escolástica, nascida em 24 de maio de 480 e morta em 10.2.542. Fundadora da Ordem das Beneditinas. E a grande e exemplar  Santa Mônica, nascida em 331; morreu em 387. A primeira por ser irmã de São Bento e a segunda por ser a mãe do Santo Agostinho, o bispo de Hipona. 
          11. Santa Paulina. Nome de batismo: Amabilie Lúcia Vesintainer. Nasceu na Itália em 16.12.1865 e morreu em São Paulo no dia 9 de julho de 1942 (9 de julho !!!). Foi canonizada em 19.5.2002 pelo Papa João Paulo II. Invocada com este nome: Santa Paulina do Coração Agonizante de Jesus.
          12. Teresa de Calcutá. Madre Teresa, na pia batismal, recebeu este esquisito nome: Anjezé Gonxhe Bojaxhiu M.C. Nasceu no dia 26.8.1910 e morreu no dia 5.9.1997. Foi canonizada em  4.9.2016 pelo Papa Francisco. Ganhadora do Prêmio Nobel da Paz. 
          13. Antes de fechar com Santa Dulce, permitam-me por destaque uma santa pela qual mantenho um carinho todo especial: Clara de Assis, filha dileta de Francisco de Assis. Com ela ele fundou o braço feminino do franciscanismo, a Ordem das Clarissas, a Segunda Ordem. 
          Clara, é a Padroeira da Televisão, título que lhe foi dado pelo Papa Pio XII. Chiara d'Assisi nasceu no dia 16 de julho de 1194 e morreu no dia 11 de agosto de 1253, portanto, 27 anos depois da morte do seu grande amor, Francisco de Assis, em 3 de outubro de 1226.
          14. Dulce.  Irmã Dulce nasceu no dia 26 de maio de 1914 e morreu no dia 13 de março de 1992. Na pia batismal ela recebeu este pomposo nome: Maria Rita de Sousa Brito Lopes Pontes.  Às vesperas de sua canonização, a vida de Santa Dulce do Pobres estará em todos os meios de comunicação do mundo.
          15. Por isso, limito-me a pedir à querida santa a sua bênção; e dizer que, em vida, ela só cometeu um pecado: amante do futebol, torceu pelo glorioso Esporte Clube Ypiranga ao invés de torcer pelo Esporte Clube Vitória, o meu time do coração...      
Felipe Jucá
Enviado por Felipe Jucá em 10/10/2019
Alterado em 10/10/2019


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras