Felipe Jucá

Paz e bem!

Textos

                       Felicidade

                    Quer ser feliz, filho, desapegue-se! 
                                              Dona Maria Zina

     1. Frei Betto, o dominicano. Precisa de maiores apresentações? Creio que não. Esse ilustre filho de São Domingos é conhecido e reconhecido aqui e alhures.      
     Jornalista e escritor, Frei Betto tem vários livros editados no Brasil e no exterior. Vale a pena ouvi-lo, discorrendo sobre qualquer assunto, no rádio, na televisão e em suas palestras. 
     2. Frei Betto nasceu em Belo Horizonte no dia 25 de agosto de 1944. Seu nome de batismo é muito interessante: Carlos Alberto Libânio Christo. É frade dominicano, desde 10 de fevereiro de 1966 quando professou na Ordem dos Pregadores - OP.
     3. Militante político de ideologia clara e definida.      Por causa de suas posições claras e independentes, foi preso algumas vezes pelo regime militar de 1964.      
     Sua experiência como preso político ele conta nos livros "Cartas da prisão", "Batismo de sangue" e "Diário de Fernando - nos cárceres da ditadura militar brasileira".
     4. Como disse acima, Frei Betto tem muitos livros publicados; mais de 60. Tive o prazer de ler: "A mosca azul", "Um homem chamado Jesus", "Um Deus muito humano", "Ofício de escrever". Muito pouco.
     Leio o que ele escreve nos jornais e nas revistas; e ouço, com atenção, suas entrevistas, sempre repletas de erudição e sábias lições religiosas, sendo ele, também, um teólogo. Passa mensagens fáceis de ser entendidas, até pelos incréus.
     5. O livro de Frei Beto que terminei de ler, aproveitando a quarentena que o tal vírus me impôs, tem este título: "Minha avó e seus mistérios". Interessantíssimo!
     Reúne sensatos conselhos da vó Maria Zina dados ao neto, Frei Betto. Na sua orelha está escrito: "Uma leitura tão encantadora quanto comovente..." 
     6. Nesse livrinho - ele é um livro pequeno; bom de ser conduzido e manuseado -  há um surpreendente diálogo entre a avó e o neto sobre Felicidade. Não hesitei em transcrevê-lo, na íntegra, para que o meu caro leitor tenha pleno conhecimento do seu teor, porque uma lição de vida.
     7. FELICIDADE
         - Felicidade é quando os anjos fazem cócegas em nosso coração - frisou minha avó. - Os demônios odeiam a felicidade.
          E arrematou:
          - Felicidade é saber casar razão com afeição. E considerar suficiente o necessário.
          Contou que havia saído para fazer um passeio socrático.
          - Passeio socrático, vó? O que é isso?
          - Fui ao shopping e fiquei olhando vitrines. De cada loja saía uma vendedora ou vendedor e me fazia a mesma pergunta: "Posso ajudá-la? A senhora deseja alguma coisa? E respondi como fazia Sócrates ao percorrer as ruas comerciais de Atenas: "Obrigada. Estou apenas observando quanta coisa existe que não preciso para ser feliz". Fantástico!
     8. Não é um texto para ser lido e esquecido. É um texto para ser lido e guardado pra sempre com a gente. Né mesmo?
     Meu dileto leitor, tenha sempre na sua lembrança essa oportuna lição que a vovó Zina dá ao seu ilustre neto. A ele só, não, a todos nós...
Felipe Jucá
Enviado por Felipe Jucá em 10/04/2020
Alterado em 10/04/2020


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras