Felipe Jucá

Paz e bem!

Textos

           Um continho de amor e ciúme

     Vestiu seu terno marrom contrariando seu pai, um senhor rigoroso no trato e conservador nos costumes. O velho insistia em dizer que a roupa marrom era a roupa "adorada" pelos cornos, qualidade que jamais podia ser atribuída ao seu primogênito, um mulherengo. 
Tirou do seu guarda-roupa uma camisa azulada e um lenço de linho branco. Ensopou o lenço com seu perfume francês predileto. Adubou a cabeleira, compacta e ondulada, com Glostora, repartindo-a do lado esquerdo. 
Depois de pronto, pegou o primeiro ônibus, e foi buscar a namorada. Pelo telefone, haviam combinado ir ao cinema. Queriam ver o filme do momento, "Suplício de uma saudade", com Jennifer Jones e Willian Holden.
Ela, uma jovem morena, olhos suplicantes, seios fartos e túrgidos, quadris salientes, porém, discretos. Para esperar o amor, vestiu saia e blusa, essa de renda azul, deixando-lhe o busto timidamente exposto. 
Debruçada em uma das janelas de sua casa,  recebeu o namorado, abrindo-lhe um sorriso aberto e doce. Um beijo sutil emoldurou e sublimou o encontro. Os dois mostravam-se visivelmente encantados.
De mãos dadas, pegaram o caminho do cinema, que não ficava distante da casa dela. No cinema, enfrentaram uma pequena fila. Ele comprou os ingressos e ela duas caixinhas de Chiclets Adams, sabor hortelã/menta. Entraram e ocuparam as poltronas mais escondidas; longe do telão.
Quando as luzes se apagaram, os dois se beijaram intensamente. Trocaram aquele beijo conhecido como "o beijo muco-mucoso".
O filme começou com ela se dizendo apaixonada por William Holden. Ele, ciumento, não gostou. Queria ser o alvo de todas as atenções de sua amada. Travou-se, entre os dois, uma surda e inopinada discussão.
O filme inda corria lindo quando decidiram continuar discutindo, mas fora do cinema. Levaram William Holden para a janela da casa dela. Ele não desistia: queria que ela renunciasse a paixão pelo ator de "Suplício de uma saudade". Ela resistia.
Lá pelas tantas, acariciando o queixo da amada, ele confessou: "Pois é: eu adoro a Ava Gardner! Qui mulher linda!" E completou: "Sabe, minha querida, em algum momento, cheguei a morrer de ciúme do Frank Sinatra, o grande amor da encantadora Ava".
E ela: "O quê? Apaixonado por Ava Gardner? Não acredito. E eu?  Desminta". 
A discussão prosseguiu. Ela firme na sua paixão por Holden e ele exaltando a beleza exuberante de Ava Gardner, "A condessa descalça".
De repente fizeram um inusitado acordo: ele ficava com Ava e ela com Holden, com o termino imediato do namoro. Despediram-se sem beijos...
Ela recolheu-se à intimidade de sua casa e ele saiu pela madrugada chamando por Nancy, sua ex-namorada, e por Ava Gardner, sua paixão mentirosa. 
 
 

 
Felipe Jucá
Enviado por Felipe Jucá em 18/05/2020
Alterado em 19/05/2020


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras