Felipe Jucá

Paz e bem!

Textos


       A canção traz a saudade


     1. Ataulfo Alves (1909-1969) considerava "Meus tempos de criança" sua melhor canção. Concordo com ele sem tirar nem pôr. Ela é cheia de boas relembranças. Faz a gente ter saudade dos dias de menino. 
     
2. Vale re-dizer que são inúmeros os seus sucessos - "Pois é", "Fim de comédia", "Atire a primeira pedra", "Mulata assanhada" e "Ai que saudades da Amélia" - citando alguns, os mais conhecidos, talvez. Mas fico com "Meus tempos de criança".
     
3. Joaquim, meu velho amigo Quincas, de saudosa memória, com repetidos fracassos nas suas investidas amorosas, me dizia que, para ele, a grande música do Ataulfo era uma que dizia: "Atire a primeira pedra, ai,ai,ai/ Aquele que não sofreu por amor". Coitado do meu amigo Quincas: namorou, namorou, mas morreu solteiro... 
     
4. Confesso que ouço, com boa dose de nostalgia, "Meus tempos de criança". Ouço duas, três, mil vezes com a ajuda do Spotify; mesmo tendo que suportar as advertências de alguém que, de longe, grita: "Muda o disco, rapaz".
     
5. Essa canção do Ataulfo me conquistou. Por quê? Vamos por parte. Primeiro porque ela me traz imensa saudade do meu tempo de criança.      Sim, eu também ia à missa aos domingos com meu pai. E - incrível! - gostava de ouvir o velho vigário garantir, nos seus gongóricos sermões, que o Inferno existia.
     
6. A canção me traz de volta a figura, alegre e frágil, de minha primeira professora, dona Ana, a Donana.
     Ela, com a paciência de Jó, suava para me ensinar as quatro operações - somar, diminuir, multiplicar e dividir - sem jamais suspeitar que eu nascera odiando Aritmética  e Matemática. Gostava, desde menino, era de literatura. 
     
7. Ataulfo pergunta: "Onde andará Mariazinha/ Meu primeiro amor, onde andará?" Sim, ela foi sim, Maria Helena, meu primeiro amor; eu dava os primeiros passos na difícil arte de conquistar corações femininos...
     
8. A encontrei numa quermesse; vestia um godê de cor rosa, abaixo dos joelhos e decote ligeiramente aberto. Um vestido bem sertanejo, modelo dos anos 1940. Como Ataulfo, ainda hoje pergunto: onde andará a Heleninha, meu primeiro amor?
     
9. Uma canção que traz saudades. Não tenho a menor dúvida em fazer meu, esse canto do Ataulfo: "Eu daria tudo que eu tivesse/ Pra voltar aos dias de criança/ Eu não sei pra que a gente cresce/ Se não sai da gente essa lembrança".
     10. ... e de fechar esta crônica repetindo estes dois versos de "Meus tempos de criança": - "Eu não sei pra que a gente cresce" e "Eu era feliz e não sabia". Bom, muito bom, que ainda possa escrever sobre minha saudades...      
      
    

 
Felipe Jucá
Enviado por Felipe Jucá em 10/02/2021
Alterado em 10/02/2021


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras