Felipe Jucá

Paz e bem!

Textos

         A Covid-19 calou
          AgnaldoTimóteo



     1. O cantor Agnaldo Timóteo está, agora, entre os milhares de mortos, vítimas do infame Covid-19. Hospitalizado há algumas semanas, o cantor de "O grito" morreu às 19h00 do dia 3 de abril (2021) no Rio de Janeiro, onde morava. 
     Como cronista, estou no dever de registrar a triste notícia do falecimento do Timóteo. Como admirador do cantor, quero que fique no meu site a notícia de sua morte.
     
2. Agnaldo Timóteo, cantor, político, um cara doce e ao mesmo tempo rude, com "discurso homofóbico",  embora, discretamente, se dissese homosexual.
      Nasceu na cidade mineira de Caratinga, no dia 16 de outubro de 1936. Morreu, portanto, com 84 anos de idade. Cantou até poucos meses antes de morrer. 
     
3. Teve uma infância, segundo dizem, muito difícil. Cresceu, e depois de passar por Governador Valadares e Belo Horizonte, desembarcou no Rio de Janeiro para ganhar a vida, e ser reconhecido como um grande cantor. 
     No Rio, contou com a ajuda de dois artistas de peso no cenário da MPB, Ângela Maria e Roberto Carlos.      Ângela o conduziu pelas tortuosas veredas que levam ao sucesso como cantor; e Roberto Carlos, permitindo-lhe que gravasse uma de suas mais lindas músicas, "O grito", a canção que o tornou conhecido em todo o território nacional. A partir daí, idos dos anos 1960, foram só aplausos.
     
4. Foi político, eleito vereador e deputado federal, com espetacular votação, nos Estados do Rio e São Paulo. Como político, disse alguém, ele teve uma "carreira errática".
     Diga-se, a bem da verdade, que Agnaldo, na política, foi um cara limpo. Não há notícias de que tenha se utilizado do dinheiro público em proveito próprio. Respeitou os cofres da nação. 
     
5. Os que o conheceram mais de perto, afirmam que o Timóteo era um sujeito brabo, brigador, respondão, corajoso, resolvendo, até na porrada, os ataques que sofria. 
     Brigava, em qualquer lugar e com qualquer um, pelo Botafogo, seu clube do coração. 
     Em compensação, casou duas vezes - uma das vezes com a bailarina Watusi -, adotou quatro filhos e teve uma filha biológica, a Elisabete, que não reconheceu antes dela, aos sete anos, falecer.  Nunca se conformou com isso.
     
6. Não conheci Agnaldo Timóteo pessoalmente.      Mas gostava de vê-lo na televisão e ouvi-lo nos rádios de todo o Brasil.  Sua voz, ora potente ora suave, invadia fácil os ouvidos dos seus fãs, chegando imediatamente aos seus corações.
     Não era um seresteiro, mas não deixava de ser um cantor romântico. 
     
7. Agora, permitam-me os amados leitores, dizer-lhes que a música do Timóteo que mais gosto é "Os Verdes Campos de Minha Terra".
     Ela me traz uma saudade inenarrável de "tempos idos e vividos", como disse, num dos seus poemas, o poeta Antônio de Castro Alves.
     Em tempo: Não cheguei a escrever propriamente uma crônica sobre a morte do nosso Agnaldo Timóteo. Outros com certeza o farão, e bem melhor do que eu.  Deixo aqui um resumido necrológio do querido cantor, como disse, vítima da miserável Covid-19.      


          
Felipe Jucá
Enviado por Felipe Jucá em 04/04/2021
Alterado em 05/04/2021


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras