Felipe Jucá

Paz e bem!

Textos

               
          O Papa e os cachaceiros

     1. Creio, piamente, que o Papa Francisco S. J. inda conhece e bem o brasileiro. Afinal, somente oito anos separam Jorge Mario Bergoglio, bispo de Buenos Aires, de Francisco, bispo de Roma. Foi, por conseguinte, a vida toda, nosso vizinho.
     Acredito, pois, que ele ainda se lembra que a cachaça é a bebida que mais se identifica com o povo daqui. No Brasil, muita gente não troca uma cachacinha pelo melhor uísque escocês. Meu pai elegeu, como seu aperitivo predileto, a boa cachaça cearense. 
     
2. Muito Bem. Dia desses, Francisco, visivelmente bem-humorado, fez um gracejo sobre a preferência de suas ovelhas verde-amarelo pela "branquinha". O gracejo papal ganhou uma dimensão inesperada. O mundo todo ficou imediatamente sabendo da brincadeira e milhares de comentários circularam, através da Internet. 
     
3. Vejam só. Um padre da nossa gloriosa Paraíba (alô Juliette!), num eventual encontro com Francisco, depois da programada audiência geral, na Praça de São Pedro, pediu ao Pontífice uma bênção para o povo brasileiro. E, certamente, uma benção especial para seus conterrâneos, os filhos da terra de João Pessoa, José Américo e de Chico César.  
     
4. Nada demais na pretensão do nordestino sacerdote. Eu mesmo, nas duas das quatro vezes em que estive em Roma, fiz semelhante pedido, á distancia, a dois importantíssimos Papas. Primeiro, a João Paulo II, um polonês cordial, e, segundo, a Bento XVI, um alemão insosso. 
     
5. Voltando, então, à audiência, ao Papa e ao sacerdote paraibano. Ora, o humilde cura, na sua compreensível empolgação diante do Sumo Pontífice, não esperava esta resposta de Francisco: "O Brasil não tem salvação; muita cachaça e pouca oração".  Imagino que o bom cura tenha tomado aquele susto.
     
6. Estivesse eu no lugar do padre João Paulo Souto Victor, da cidade de Campina Grande, e teria respondido o seguinte à Sua Santidade: sim, seu Papa,  são maravilhosos nossos alegres cachaceiros; tanto quanto os portenhos bibentes dos saborosos vinhos argentinos que possivelmente conheceis, desde seus tempos de Puerto Madero, na sua Buenos Aires querida.
     
7. A brincadeira do Papa Francisco não foi, por alguns, bem recebida. Acharam, entre outras coisas, que Francisco,  quase sempre muito jocoso nas suas declarações, desta vez pisara na bola.      
     Como Pastor supremo da Igreja Católica, não devia ter misturado a súplica de um padre com a nossa honrada cachaça; a "danada da pinga", como a chamava, em conhecida canção, a saudosa Inezita Barroso.
       No meu entender, o Papa Francisco não foi um gaiato na sua observação: foi um brincalhão; possivelmente na hora errada. 
     
8. Achei, porém, inofensiva a sua brincadeira. Se não agradou a todos, pelo menos não provocou um incidente diplomático. Deu em samba e em espirituosas e respeitosas piadas. E querem saber por que não houve crise? Porque o Papa é um Chefe de Estado que só constroe pontes. 
     
9. Não vi maldade no gracejo do Papa. Não amaldiçoou nossos cachaceiros. Essa de que, no Brasil, ninguém se salvará porque bebe mais do que reza, é chute do bondoso Francisco.
      Ele sabe que a cachaça não condena sumariamente os cachaceiros, que também são filhos de Deus. Fiquem tranquilos os nossos beberrões. Existirão aqueles que chegarão mais cedo ao céu...
     
10. Nunca o Bom Pastor faria tal coisa com os cachaceiros do Brasil. A maioria, quem sabe, curtindo seu "mé" por motivos que provavelmente jamais saberemos.
     Cachaceiros escondendo num gole de cachaça uma dolorosa história familiar; uma irremovível "dor de corno"; uma irreparável desilusão; uma incontrolável alegria... ou, simplesmente, um jeito pessoal de viver a vida.
 
Felipe Jucá
Enviado por Felipe Jucá em 29/05/2021
Alterado em 31/05/2021


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras