Felipe Jucá

Paz e bem!

Textos

     Aí vem o cometa gigante

                     Nada impele tanto ao                                   devaneio como a                                           contemplação do céu.                                                Camille Flammarion

     1. Como o cronista Rubem Braga (1913-1990), tenho o hábito de observar o céu. Faço-o a qualquer hora. Tenho dito isso em crônicas passadas, escrevendo sobre o espaço sideral, seus segredos e seus mistérios. 
     Quando não estou olhando pro céu, percorro as páginas de "Belezas e Maravilhas do Céu", livro do matemático Malba Tahann; ou os artigos e crônicas do astrônomo Ronaldo Rogério de Freitas Mourão(1935-2014)..
     
2. Passo horas admirando a Via Láctea. Gosto de ver o sol nascer e o sol se pôr; e a lua desaparecer, não resistindo à claridade solar. 
     Não sei bem qual dos dois momentos mais me comove. Acho que o sol se pondo; a hora da "Ave Maria". 
     
3. A hora do Angelus mexe comigo.          Sou do tempo em que os sinos crepusculares bimbalhavam quando o sol se escondia na linha do horizonte ao som da "Ave Maria" de Gounod ou a de Franz Schubert. 
     
4. Minha mania de observar o céu me anima a querer saber tudo que aconteceu, acontece e acontecerá no firmamento. Não nego: bem que gostaria de ser um astrônomo ou mesmo um astronauta. 
     
5. Um astronauta! A gente se empolga vendo a superlua ou o eclípse. Imagine o leitor, a gente acompanhar a Terra, de longe, solta no espaço imenso.      É certamente a hora de perguntar: afinal, quem está segurando este biruta e belo planeta? Não colide; não se dissolve; não se derrete; não perde o rumo... 
     
6. Faz um tempão que não vejo um cometa, esse fenômeno que, vez em quando, aparece embelezando o céu.
     Veja: para o Padre Antônio Vieira, o jesuíta do estalo, os cometas são "avisos de Deus";influenciando sobre os "acontecimentos terrestres".
     Adoraria ter visto o cometa Harley, que esteve por aqui, em 1910, assombrando o mundo. Sobre o Harley, me falaram meus pais.  Como prometera, voltou em 1975; mas ninguém viu, a não ser os astrônomos de plantão. 
     
7. Antes do retorno do Harley, anunciaram a passagem de um tal de Kohoutec, um cometa de considerável magnitude e de brilho extraordinário. Ninguem o viu a olho nu. Teria se escondido. Quase tive um torcicolo procurando o Kohoutec.
     
8. Acabo de ler na "Folha de São Paulo", que o maior cometa já descoberto está viajando em direção à Terra. Ui! Vou oferecer ao meu leitor dados do novo cometa, para que ele tenha uma ligeira ideia da sua grandeza.
     
9. Seu nome: Bernadirdinelli-Bernsstein, seus descobridores. Ele tem 150 km de diâmetro. É aproximadamente 35 vezes maior do que os cometas vistos. Não visita a órbita do sistema solar há mais de três milhões de anos. Ele, segundo a Nasa, está entre os 3.743 cometas conhecidos.
     
10. Agora, a melhor notícia.      Diferente do Harley, que não se sabia de onde vinha e para onde ia, o cometa gigante se aproximará o máximo do sol no dia 21 de janeiro de 2031. E não fará mal a ninguém garantem os astrônomos. 
     
11. Portanto, nada de pânico. Ele passará a "1.6 bilhões de milhas de distância do sol. Pelo visto, só as lentes poderosas dos telescópios do futuro o alcançarão. Em 2031, estarei à bordo de alguma estrela ou desfilando na Via Láctea.
     
      
Felipe Jucá
Enviado por Felipe Jucá em 15/10/2021
Alterado em 16/10/2021


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras