Felipe Jucá

Paz e bem!

Textos

                   O signo de Jesus Cristo

 

          1. Já ocupei este espaço para vos dizer, meu querido leitor, minha amada leitora, qual é o meu Orixá. Em outra ocasião, para vos falar sobre o meu signo. Todos ficaram sabendo que meu Orixá é Xangô e que sou um pisciano legítimo; e do segundo decanato. 

          2. Logo que cheguei em Salvador, há mais de sessent'anos, soube que os que moram na Bahia têm um Orixá, divindade do Candomblé, a lhes proteger. Cuidei, imediatamente, de conhecer o meu. Fi-lo, através de uma moreninha dengosa, não tão frajola como a garota que Ary Barroso encontrou um dia na Baixa dos Sapateiros. Ela me disse docemente: "Vocé é de Xangô. 

          3. Quando os amigos baianos souberam que eu era de Xangô, disseram-me que eu era um forasteiro de sorte. Para saber o porquê desse privilégio, fui aos livros. Estes me disseram que Xangô, no meu credo São Bartolomeu, tinha como símbolo "o machado com duas lâminas". Assustei-me. Logo eu, um sujeito pacífico, cordato, amoroso? O Candomblé não estaria enganado? 

          4. Recorri ao Google. Assim o Google definiu Xangô: Uma entidade cultuada. "Considerado deus da Justiça, dos raios, dos trovões e do fogo, além de ser o protetor dos intelectuais". Vi, então, por que eu era um sortudo. Por isso, sobre ele escrevi uma crônica, que repousa neste meu Site, desde janeiro de 2008. Mais de dez mil pessoas visitaram minha crônica. Foi bem recebida.

          5. Sobre meu signo, Peixes, algumas palavras. Gosto demais dele. Quando acontece de ser "inconveniente" , peço desculpas, alegando ser um pisciano. Não dizem que o peixe morre pela boca? Vá lá. Fui aos livros novamente. Desta vez, para saber como são as possoas nativas de Peixes.  Fiquei satisfeitíssimo com a resposta dos livros: são pessoas sensíveis, sonhadoras, místicas e amáveis. Era tudo o que eu queria ser. 

          6. O que me levou a escrever esta página? A crônica  "Jesus seria de Capricórnio?", do exímio historiador e escritor Leandro Karnal. Sou fã de suas crônicas. Eruditas! Belíssimas! Aconselho a leitura de seus livros : "O mundo como eu vejo", O coração das coisas", "Diálogos de cultura" e "Santos fortes", este tão bom quanto "Em busca do tempo sagrado - Lenda dourada", do historiador francês Jacques le Goff (1924-2014). 

          7. Sua crônica sobre o signo do Galileu de Nazaré, o meu leitor pode encontrá-la in "A coragem da esperança", seu último livro, já nas livrarias. Acabei de degustá-lo. Permitam-me usar esta palavra. Não encontrei outra. O livro é saboroso. Leandro Karnal, ao lado de Mario Sergio Cortella (sem acentos) são os escritores do momento. Estão nas TVs e nos rádios o dia todo.

          8.  Karnal inicia sua crônica afirmando que "Jesus não nasceu em dezembro".           Esbanjando cultura e muita história, ele mostra por que, ainda hoje, se põe em dúvida o Natal do Menino, celebrado pela Igreja Católica, na noite de 25 de dezembro.

          O assunto não é novo. Intelectuais religiosos e agnósticos, vez em quando, se perguntam se a data do nascimento foi essa mesma. Acontecimentos, até meteorológicos,  levam esses  estudiosos a duvidar do 25 de dezembro, como sendo a data exata do nascimento do Deus Menino. 

          9. A data do nascimento, segundo Karnal, "foi decidida muito tempo depois". E, enfático: "Eu apenas tenho uma certeza, clara, cristalina, científica e confortante: Jesus não era capricorniano" . E numa observação lúdica, escreve que torceu para que Jesus fosse um aquariano, ou seja, tivesse nascido no mês de fevereiro, mês do seu aniversário.  Karnal é gaúcho, nascido no dia 1 de fevereiro de 1963. 

          10. Na sua crônica sobre o signo de Jesus, Karnal me trouxe esta notícia alvissareira: "Sua densidade mística e sensibilidade" indicam que o Messias era um pisciano. Nascera entre 19 de fevereiro e 20 de março. Voltei ao Google para saber mais sobre Peixes. Está dito, como o ponto fraco desse signo: "... representa  o nível mais elevado de consciência e capacidade de amar". 

          11. Como disse acima, sou pisciano. Nasci no mês de março. Como pisciano, tenho parecendo Jesus, uma capacidade enorme de amar, pedindo perdão pela ousada comparação. Entretanto,  para dirimir definitivamente a dúvida sobre o dia do nascimento do Mestre, ainda segundo o professor Leandro Karnal, só os magos do Oriente. 

          Acho, não, tenho absoluta certeza de que, num dia qualquer dos séculos que virão, os estudiosos confirmarão que Jesus é um pisciano.

          Por enquanto, deixemos as coisas como estão.

          Não quero brigas com os capricornianos.   

 

 

Felipe Jucá
Enviado por Felipe Jucá em 22/09/2022
Alterado em 22/09/2022


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras